Caminho Vocacional

Caminho Vocacional

vocacional@preciosavida.com.br

Responsáveis pelo Vocacional Masculino: Ir. José e Ir.Bento (021 997199730 e 021 967073335)

Responsáveis pelo Vocacional Feminino: Ir. Guadalupe e Adriana (021 981580603 e 021 31058505 )

vocacionados

“Um coração que se decide por Deus,

conquista muitos outros para experimentar e

conhecer este infinito amor”

(Pe. Geovane)

Vocacionados a Vida

Somos chamados e vocacionados a vida, mas uma vida em plenitude, ou seja, uma vida em santidade.

Muitas vezes se pensa que ser santo é ser isolado do mundo, isso não é verdade. Por muito tempo se ligou santidade a vida monástica ou apenas ao isolamento. Ser santo significa separado e não isolado, nem tão pouco dividido. É importante dizer que santidade é um dom, e somente a graça de Deus e não nosso méritos que se faz alcançar essa santidade. Entretanto,  uma vez chamados a sermos santos com gratidão devemos buscar mudar nossa conduta de vida, assim como se encontra na vida dos santos uma diferença considerável após um encontro pessoal com o Senhor, como resposta amorosa de quem se deixou tocar por Deus.

É tempo de assumir e vivenciar a graça e o dom dado por no Batismo, correspondendo de maneira agradável a Deus. Jamais se deve pensar que alguém não pode ser santo, porque todo batizado pode ser santo e de fato já é um separado para isso, é alguém vocacionado; recebido o Sacramento devemos nos conduzir ao serviço para o bem da comunidade. Visto que, buscar uma vida de santidade é dar-se e não reter, quem se santifica ou melhor quem se abre a essa graça, faz com que os que outros queiram viver o mesmo.

Não se deve olhar um santo como exceção, mas sim como regra. A fim de crescermos no entendimento que santidade não é algo sacrificado e dolorido mas uma resposta generosa de quem se deixou encontrar com o Amor. Então, deixemos que o Amor transforme nossas vidas!!!

                                                                            Pe. Geovane 

Vocação Religiosa

     A Vocação Religiosa é um dom para a Igreja e um sinal para o mundo. Os religiosos são consagrados a Deus para servi-lo e para servir os irmãos e irmãs. Este serviço se dá através de um jeito próprio, ou seja, de acordo com o Carisma de cada Congregação religiosa e de cada membro da mesma como um dom, como um modo próprio de ser e agir. Esse dom dado pelo Espírito torna a pessoa  apta a  realizar determinada missão.

     O jovem vocacionado ingressa em uma família religiosa conforme o carisma pessoal e de acordo com o Carisma da Instituição que ele escolhe para uma missão específica.

     Os Religiosos são homens e mulheres que ouviram um dia o chamado de Deus  para colocarem suas vidas a serviço, em total entrega a Deus e aos irmãos e irmãs. São chamados a deixarem tudo: casa, família, propriedade, bens, e livremente ingressam numa Congregação ou Ordem religiosa. Professam os Votos de pobreza, castidade e obediência.

     Pobreza aqui quer ter o significado de capacidade de desprendimento de si mesmo,  não ter nada de próprio, para que, livre dos bens materiais, na liberdade interior, possa ter Deus como o Tudo, único bem, o Absoluto de sua vida.

     Castidade é, além da renúncia livre do matrimônio, ser capaz de ofertar seu coração e todo o seu ser a Deus, numa abertura de amor mais ampla, livre, um amor oblativo, a Deus e nele, a todas as pessoas, numa entrega amorosa na missão que assume como projeto de Deus para sua vida.

     Obediência: Busca constante da vontade de Deus, para melhor servir. A obediência a Deus passa por mediações: A Igreja, a Congregação religiosa na pessoa dos superiores e à fraternidade.

     Ela se dá através de um íntimo relacionamento com Deus, na abertura e confronto aberto, maduro e sincero entre os membros.

     A Origem da Vida Consagrada

     O Fundamento da Vida Consagrada é Jesus Cristo. Ele que sendo de condição divina não quis viver segundo a glória que tinha, mas se esvaziou, veio a este mundo, tornando-se um de nós, e em atitude de humildade se entregou até à morte e morte de Cruz (cf fil 2, 1-11s). É  Ele próprio quem faz apelo para o seu seguimento:  “Jesus subiu ao monte e chamou os que Ele quis escolher e foram até Ele” ( Mc3,13); Constituiu o grupo dos doze para que ficassem com Ele… e os enviou a pregar, com poder de expulsar os demônios e realizar a mesma missão que Ele realizava.

     Além do apelo aos discípulos e aos doze, lança convite ao jovem rico, e como condição da vida em perfeição manda deixar tudo, vender os bens e dar aos pobres, isso seriam as condições para o seguimento. E Fala de alguns que renunciam à vida conjugal e abraçam o celibato por causa do Reino de Deus (Mt 19, 12 a 21).

     Também São Paulo Apóstolo fala que escolheu viver sem casar para facilitar a missão (1cor 7, 7)

     Nos primeiros tempos do Cristianismo temos o testemunho de homens e mulheres que viviam sem casa em vida de oração e serviço a Deus e aos pobres, bem como o testemunho dos mártires e das virgens que escolhiam morrer preservando a virgindade.

A Vida Religiosa surge  como sua primeira forma, no  séc III e IV  com os Monges do Deserto que buscam viver em oração,silêncio, penitência, jejum e trabalho (Santo Antão, São Basílio, São Pacômio), Mais tarde, São Jerônimo, Santo Agostinho, São Bento. No Séc.XII e XIII São Francisco de Assis e São Domingos, chamadas Ordem dos Mendicantes e a Ordem Feminina, com Santa Clara de Assis.

     Assim a Vida Consagrada se expandiu sempre mais através das Congregações Religiosas de Vida contemplativa e ativa. Hoje a ela é  chamada a viver sempre mais comprometida com o profetismo, no anúncio, na denúncia, na renuncia e no testemunho, assumindo a fidelidade dinâmica e criativa que lhe é própria, vivendo a radicalidade do batismo, dentro dela mesma, na Igreja, na sociedade através de sua opção preferencial, audaciosa e atualizada pelos empobrecidos e excluídos da sociedade,vivendo a missão de Jesus, sendo sinal para o mundo, anunciando o Reino de Deus. Por sua natureza ela é profética e sempre é chamada a radicalizar seu jeito de viver e anunciar o Evangelho com seu próprio jeito de ser.

     É Jesus a sua força, seu sustento, seu alento, sua luz; por isso o Consagrado busca na palavra de Deus, na oração contínua e na Eucaristia o vigor e as graças necessárias para continuar servindo a Deus e aos irmãos e irmãs com alegria, coragem e esperança.

 

Anterior Doações
Próximo Filhas da Preciosa Vida

Sobre o autor

Imprensa