ANGELUS Praça de São Pedro III Domingo de Advento, 17 de dezembro de 2017

ANGELUS Praça de São Pedro  III Domingo de Advento, 17 de dezembro de 2017

POPE FRANCIS

ANGELUS

Multimídia ]


 

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

Nos últimos domingos, a liturgia sublinhou o que significa estar em uma atitude vigilante e o que envolve concretamente a preparação do caminho do Senhor. Neste terceiro domingo de Advento, chamado “Domingo da Alegria”, a liturgia nos convida a compreender o espírito com que tudo isso acontece, isto é, precisamente, a alegria. São Paulo nos convida a preparar a vinda do Senhor ao assumir três atitudes. Sinta-se bem: três atitudes. Primeiro, alegria constante; segundo, oração perseverante; Em terceiro lugar, a contínua ação de graças. Alegria constante, oração perseverante e ação de graças contínua.

A primeira atitude, alegria constante : “Seja sempre feliz” ( 1 Tessalonicenses 5:16), diz São Paulo. Ou seja, sempre permanece na alegria, mesmo quando as coisas não seguem de acordo com nossos desejos; Mas há uma alegria profunda, que é a paz: isso também é alegria, está dentro. E a paz é uma alegria “ao nível do solo”, mas é uma alegria. Ansiedades, dificuldades e sofrimentos passam pela vida de cada um, todos nós os conhecemos; e muitas vezes a realidade que nos rodeia parece ser inóspito e árido, semelhante ao deserto em que soou a voz de João Batista, como lembrado pelo Evangelho de hoje (cf. Jo01:23). Mas as palavras do Batista revelam que nossa alegria depende de uma certeza, de que este deserto está habitado: “Entre vocês – ele diz – há um que você não conhece” (versículo 26). Este é Jesus, o enviado do Pai que vem, como ressalta Isaías, “trazer as boas novas aos pobres, amarrar as feridas de corações partidos, proclamar a liberdade dos escravos, a libertação dos prisioneiros, promulgar o ano de graça do Senhor “(61,1-2). Essas palavras, que Jesus fará a sua própria no discurso da sinagoga de Nazaré (cf. Lk4.16-19), esclarece que sua missão no mundo consiste na libertação do pecado e da escravidão pessoal e social que produz. Ele veio à terra para devolver aos homens a dignidade e a liberdade dos filhos de Deus, que somente ele pode comunicar e dar alegria por isso.

A alegria que caracteriza a expectativa do Messias baseia-se na oração perseverante : esta é a segunda atitude. São Paulo diz: “Reze sem interrupção” ( 1 Tess05:17). Através da oração, podemos entrar em um relacionamento estável com Deus, que é a fonte da verdadeira alegria. A alegria do cristão não é comprada, não pode ser comprada; Ele vem da fé e do encontro com Jesus Cristo, o motivo da nossa felicidade. E quanto mais estamos enraizados em Cristo, quanto mais nos aproximamos de Jesus, mais encontramos a serenidade interior, mesmo em meio a contradições diárias. Por esta razão, o cristão, tendo encontrado Jesus, não pode ser um profeta de infortúnio, mas um testemunho e um heraldo de alegria. Uma alegria para compartilhar com os outros; uma alegria contagiosa que torna a jornada da vida menos cansativa.

A terceira atitude mostrada por Paul é a ação de graças contínua , isto é, o amor grato a Deus. Pois ele é muito generoso conosco, e somos incentivados a sempre reconhecem os seus benefícios, seu amor misericordioso, paciência e bondade, vivendo assim em uma incessante ação de graças.

Alegria, oração e gratidão são três atitudes que nos preparam para viver o Natal de uma maneira autêntica. Alegria, oração e gratidão. Vamos todos dizer juntos: alegria, oração e gratidão [as pessoas no quadrado repetem] Outra vez! [Repetir]. Nesta última parte do tempo do Advento, confiamos a intercessão materna da Virgem Maria. Ela é “a causa da nossa alegria”, não só porque ela gerou Jesus, mas porque ela continuamente nos remete para ele.


Depois do Angelus

Queridos irmãos e irmãs,

[os caras de Roma cantam “Feliz aniversário para você”] Muito obrigado, muito obrigado!

Congratulo-me com o chamado dos Bispos da Nigéria para a libertação das seis Irmãs do Coração Eucarístico de Cristo, seqüestradas há cerca de um mês atrás do seu convento em Iguoriakhi. Rezo insistentemente por eles e por todas as outras pessoas que se encontram nesta condição dolorosa: eles podem finalmente voltar para suas casas no Natal. Vamos orar juntos por eles: Ave ou Maria …

Saúdo todos vocês, famílias, grupos paroquiais e associações, que vieram de Roma, Itália e muitas partes do mundo. Em particular, saúdo o grupo dos Lobitos de Portugal e o dos peregrinos bolivianos. Saúdo os fiéis de Salamanca e de Pernumia (Pádua).

E agora saludo com carinho as crianças que vieram pela benção do “Bambinelli”, organizado pelo Centro de Oratórios Romanos. É bonito o que posso ler daqui: o oratório é apenas para cada um de nós. “Sempre há um lugar para você”, diz o sinal. Há sempre um lugar para você! Quando você reza em casa, na frente da cena da natividade com sua família, deixe-se atrair a ternura do Menino Jesus, nascido pobre e frágil entre nós, para nos dar seu amor. Este é o Natal real. Se retirarmos Jesus, o que resta do Natal? Uma festa vazia. Não tire Jesus do Natal! Jesus é o centro do Natal, Jesus é o Natal real! Entendeu?

Por isso, desejo a todos um bom domingo e uma boa jornada para o Natal de Jesus. Não se esqueça de orar por mim. Bom almoço e adeus.

 

Anterior PAPA FRANCISCO AUDIÊNCIA GERAL
Próximo Papa: Cúria fechada em si mesma está condenada à destruição

Sobre o autor

Imprensa